Caeté

História (Caeté)

Em 1701, quando Leonardo Nardez e seus companheiros chegaram ao planalto mineiro, depararam com uma grande mata, que chamaram Caeté ( na língua indígena, “mata virgem” ). Nascia, então, a Vila Nova da Rainha.

Caeté, tem uma história particularmente rica. Nela se deu em 1708 a guerra civil do Emboabas, na qual começou a formação histórica de Minas Gerais. A luta apesar de seu fundo econômico, não deixou de demonstrar o sentido de organização dos grupos em conflito: portugueses e bandeirantes. Principalmente dos primeiros, que elevaram seu chefe, Manuel Nunes Viana, depois das primeiras vitórias, governador de Minas. Esta escolha ficou como registro das primeiras eleições livres da América, tendo Nunes exercido o cargo durante um ano.

A cidade de Caeté foi fundada no ciclo do ouro, quando foram construídas suas principais igrejas e o casario de arquitetura colonial. Com o esgotamento de seus aluviões auríferos, o arraial entrou em decadência, renascendo economicamente em 1865, com as primeiras atividades industriais. Hoje a economia do município baseia-se em pequenas empresas e no setor agropecuário e hortifrutigranjeiro.

Distante 56 km da capital, Caeté faz parte do Circuito do Ouro e integra a região metropolitana de Belo Horizonte. O acesso a cidade é pelas rodovias BR-262 e MG-435.

Com seus 40 mil habitantes e uma área de 542 quilômetros quadrados, o município oferece belos exemplares da arquitetura barroca, além de uma rara e colorida paisagem, onde se descortina a poética e mística Serra da Piedade.

Pontos Turísticos:

Em 1701, quando Leonardo Nardez e seus companheiros chegaram ao planalto mineiro, depararam com uma grande mata, que chamaram Caeté ( na língua indígena, “mata virgem” ). Nascia, então, a Vila Nova da Rainha.

Caeté, tem uma história particularmente rica. Nela se deu em 1708 a guerra civil do Emboabas, na qual começou a formação histórica de Minas Gerais. A luta apesar de seu fundo econômico, não deixou de demonstrar o sentido de organização dos grupos em conflito: portugueses e bandeirantes. Principalmente dos primeiros, que elevaram seu chefe, Manuel Nunes Viana, depois das primeiras vitórias, governador de Minas. Esta escolha ficou como registro das primeiras eleições livres da América, tendo Nunes exercido o cargo durante um ano.

A cidade de Caeté foi fundada no ciclo do ouro, quando foram construídas suas principais igrejas e o casario de arquitetura colonial. Com o esgotamento de seus aluviões auríferos, o arraial entrou em decadência, renascendo economicamente em 1865, com as primeiras atividades industriais. Hoje a economia do município baseia-se em pequenas empresas e no setor agropecuário e hortifrutigranjeiro.

Distante 56 km da capital, Caeté faz parte do Circuito do Ouro e integra a região metropolitana de Belo Horizonte. O acesso a cidade é pelas rodovias BR-262 e MG-435.

Com seus 35 mil habitantes e uma área de 542 quilômetros quadrados, o município oferece belos exemplares da arquitetura barroca, além de uma rara e colorida paisagem, onde se descortina a poética e mística Serra da Piedade.

Principais Pontos Turísticos:

Igreja Nossa Senhora do Bom Sucesso

Primeira igreja construída em alvenaria, marca o início da 3ª fase do barroco, que predomina nas suas esculturas, imagens e peças de ouro e prata.Pelourinho

Construído em 1722, era símbolo do poder real na Vila. É um dos poucos que ainda restam em Minas Gerais.

Chafariz da Cadeia Velha e da Matriz

Construções sólidas erguidas pelos escravos em 1800, apresentam linhas e arabescos harmoniosos, trabalhados em pedra sabão.

Igreja de São Francisco de Assis

Data do início do século XVIII. Possui bonita fachada chanfrada, que lembra a Igreja do Ó de Sabará.

Museu Regional

Sobrado nobre de estilo colonial, apresenta um precioso acervo constituído de peças da arte popular do século XVII. É famoso por ter sido residência do polêmico Barão de Catas Altas.

Igreja Nossa Senhora do Rosário

Construída em linhas simples, em alvenaria de adobe com esteios de madeira, datada da época de fundação da cidade.

Solar do Tinoco

Pertenceu ao Barão de Cocais e mais tarde ao ilustre político Dr. João Pinheiro da Silva. Este solar mantém suas linhas tradicionais peculiares às casas senhoriais de Minas.

Pedra Branca

Bloco de pedra com aproximadamente 60 metros de altura, destaca-se na paisagem de Caeté e está localizada no bairro da Pedra Branca. Muito usada para a pratica de alpinismo.

Serra da Piedade: a grandiosidade da natureza encanta turistas e peregrinos.

Serra da Piedade

Situada a 16 quilômetros da cidade, por via asfaltada, ergue-se a uma altitude de 1.746m. Comporta penhascos e rochedos gigantescos, entre os quais cresce uma vegetação de montanha. Trata-se realmente de um dos mais belos panoramas do Brasil.

Santuário Nossa Senhora da Piedade

Construído por Antônio Bracarena no fim do século XVIII, a igreja apresenta em seu interior a imagem de Nossa Senhora da Piedade, padroeira de Minas Gerais. Esta imagem é atribuída ao famoso escultor Aleijadinho.

Cruzeiro: Maria, São João e Cristo Crucificado

Obra do escultor romeno Vladi Poenaru em ferro modular.

Morro Vermelho – Um pedacinho da história entre montanhas e cachoeira.

Localizado a 12km de Caeté, que tem sua origem por volta de 1700, devido à extração de ouro nas minas de Vira Copos, se tornou histórico com a revolta da população contra a cobrança do quinto por bateia pela Coroa Portuguesa.

Por volta de 1715, o Governador de Minas e São Paulo, Dom Baltazar da Silveira, impôs a cobrança de impostos pelo número de bateias empregadas no lavradio. O protesto generalizou-se em toda Minas Gerais, e uma revolução em Morro Vermelho.

Preocupado o Governador viajou até o distrito, onde foi recebido com armas, o que fez com ele declarasse a isenção do imposto.

Até hoje Morro Vermelho mantém viva as suas tradições folclóricas, como a cavalhada, que representa a luta entre Mouros e Cristãos, encenada a quase 300 anos.

Entre montanhas com suas ruas tranqüilas e seu povo sereno, em Morro Vermelho o visitante tem a impressão de ter voltado no tempo e essa paz só é interrompida pela chegada de grupos que se embrenham em suas fantásticas trilhas em busca de aventuras.

Capela do Rosário

Uma das mais antigas da região, foi construída pela população negra, por causa da segregação entre brancos e negros. Tem corpo único com sacristia na lateral esquerda e pintura de Nossa Senhora de Nazaré no teto.

Cachoeira Santo Antônio

No meio de um paredão de pedra, coberto por uma vegetação típica de regiões rochosas, surge uma queda d água de aproximadamente 50 metros, formando abaixo um imenso lago de águas transparentes e frias. Situada à 13 quilômetros do Morro Vermelho por estrada de terra.

 

Clima

O clima é o Tropical de Altitude. Apresenta duas estações do ano bem definidas, verão moderadamente quente, úmido e inverno seco, ligeiramente frio.

O índice pluviométrico é de aproximadamente 1.650mm. Este clima assemelha-se ao tropical típico, todavia, apresenta médias anuais de temperatura mais baixas, aproximadamente 22°C.

A Serra da Piedade é fator geológico determinante do clima caeteense, haja vista sua definição como tropical de altitude. Assim como a latitude, a altitude é decisiva na caracterização do clima de uma área, bem como da vegetação, por exemplo, verifica-se a formação de Campos Rupestres na Serra da Piedade e Florestas Estacionais Semidecíduas no entorno de sua base.

 

Características Geográficas

Hidrografia

Inserido na bacia do Rio São Francisco, mas precisamente na sub – bacia do Rio das Velhas, região do Alto são Francisco. Entre os principais cursos d’água do município se destacam os córregos Juca Vieira e Comprido. Quando estes se encontram, formam o córrego do Gaia, afluente da margem esquerda do Ribeirão Sabará, que deságua diretamente no Rio das Velhas. Outras importantes drenagens são os ribeirões Vermelho, Ribeiro Bonito, Caeté (ou Sabará), do Herdeiro, além do córrego do Jacu. No município verifica-se ainda a presença de algumas bacias lacustres, como as lagoas do Herdeiro, Tecelão e dos Tubarões.

Relevo

O município apresenta relevo tipo “Mares de Morros”, em seguimento às regiões serranas do Estado de Minas Gerais. Destaca-se o Maciço do Espinhaço com admiráveis Serras, dentre estas, a da Piedade e do Caraça. O Pico da Piedade está a 1.746 metros relativos ao nível do mar. Outra importante feição morfológica contínua desta Serra é o Pico do Descoberto, com 1.374 metros.

Os ciclos erosivos atuaram no sentido de modelar o relevo, dando-lhe formas atenuadas de “meia-laranja”, constituindo a paisagem típica do Estado mineiro. O embasamento cristalino é rico em minerais de ferro.

Nas terras mais baixas sua morfologia suave compreende os domínios de complexos metamórficos, a exemplo da maior parte do sítio onde se localiza a sede do município.

Em contraste encontram-se os maciços de rochas dos Grupos Caraça e Itabira que, por sua baixa susceptibilidade erosiva, constituem as regiões de maiores cotas altimétricas, por exemplo, a Serra da Piedade.

Neste sentido, as regiões inseridas no Supergrupo Rio das Velhas, Minas e Espinhaço, apresentam relevo dissecado, com vales encaixados e cristas orientadas(Adaptado, Brandt). De maneira isolada ocorrem alguns pontões graníticos com declividade mais elevada do que o normal para os Mares de Morros, como a Pedra Branca.

Vegetação

A cidade está localizada numa região de transição entre os biomas do Cerrado, Floresta Atlântica e Vegetação de Altitude. Portanto, trata-se de uma região de grande biodiversidade. Dentro dos limites territoriais do município verifica-se tipos distintos de formações vegetais: Campos Limpos, Campos Rupestres, Cerrado Ralo, Cerrado típico, Floresta Estacional Semidecídua.

Aspectos Geológicos

O município insere-se no Quadrilátero Ferrífero que ocupa a região leste-sudeste de Belo Horizonte e encontra-se inserido, do ponto de vista geotectônico, na porção meridional do Cráton São Francisco( Almeida, 1977).

Regionalmente afloram-se granito-gnáissicos de idade arqueana, denominados complexos metamórficos, cinturões arqueanos do tipo greenstone belts e sequências supracrustais do Paleoproterozóico. Estas unidades representam registros de diferentes eventos tectônicos que atuaram desde o Arqueano até o Cenozóico (BRANDT, 2002).

A geologia do Quadrilátero Ferrífero é bastante complexa. Há no mínimo três séries de rochas sedimentares separadas por discordâncias principais. As rochas da área encontram-se dobradas, falhadas e foram metaformisadas em graus variáveis. (Dorr 1959).

 

 

Localização

Localização: Central

Limite entre os Municípios: Taquaraçu de Minas, Raposos, Bom Jesus do Amparo, Santa Bárbara, Sabará, Barão de Cocais, Rio Acima e Nova União.

Distritos: Antônio dos Santos, Morro Vermelho, Penedia,

Roças Novas.

Rodovias de Acesso: BR-262, MG-435 e BR-381

 

 

População

Caeté conta com uma população total de 39.039 habitantes.

 

 

 

© 2019 Caeté . TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.